sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Rascunhos

Observei-a na terça.
O gosto da uva a fascina,
o cheiro da chuva arrebata suas lembranças.
Seus livros e cd's são seus verdadeiros amigos
e saem lágrimas de seus olhos
quando vê as folhas de uma árvore caíndo...
Sua sensibilidade me atinge.
Seus sorrisos são tão verdadeiros!
Acho até que a alma está morrendo de cócegas!
Todos os dias anda por ruas diferentes para colher uma flor.
Tem um jardim no fundo da casa.
Tem memórias plantadas no interior da terra úmida,
com cheiros e cores diferentes para sentir.

É única,primeira e última,mas nunca falou de amor.



::Ana::

10 comentários:

Dani Santos disse...

Palavras que emocionam, Ana... E a tua sensibilidade nos atinge.


.. E embora nunca tenha falado de amor, o amor transborda pela poesia afora... a comoção diante das pequenas coisas...


" Poderoso para mim não é aquele que descobre ouro.
Para mim poderoso é aquele que descobre as insignificâncias
(do mundo e as nossas)".
(Manoel de Barros)

Pri C. Figueira disse...

Ahhhhh...
Sem palavras!

Seu texto é lindo, tão doce, tão puro! Exala uma leveza, um ar de poeta!!
Suas palavras me emocionaram, fizeram meus olhos encherem de lágrimas, com tamanha doçura do seu texto!!!
Me alegra demais ver que ainda há pessoas tão sensíveis...

Quanto ao amor... como dizer que ela não fala, se suas palavras tranbordam de amor pela vida!?
Lindo Ana, lindo!

Bjs...

Ps: Obrigada por seus comentários tão sempre carinhosos, amo ler o que vc escreve, eles são de grande importância para mim!

Bjs linda poetisa!

Garota devaneio disse...

Sensibilidade é um dom de poucos.
Vc é uma dos privilegiados, c certeza!


Curioso... akbei d att meu blog e qd vim ler o seu, n é q a gnt falou d coisas parecidas?

Sobre 'o nunca falar de amor'...


=*

Victor Canti disse...

nossa, que originalidade, é tão sensível, sublime...
e quem não atingiria...?! rs
beijos
bom fds!!

Eduardo Trindade disse...

Surpreendi-me, moça. Usas palavras simples, junta-as com aparente displicência, e de repente surge um poema transbordando emoção e musicalidade. Acabei de te ler em voz alta para mim mesmo. Muito bom!

www.lustatotenterrara.com disse...

Simplesmente divinamente belo e simples e repleto de odores e sensações. Estilo.

Parabéns.

Bj.

Lustato

David Monsores disse...

Olá!

É única, primeira e última, mas nunca falou de amor.
Ela que colhe as flores e que chora com as folhas que caem das árvores, que possue a alma em cócegas... por que ela não fala de amor?

Será como "eu sou um poeta e não aprendi a amar"

POesia forte!!!
BEijO grande!

Luísa disse...

E não precisa falar de amor quando a melodia ecoa suavemente em tão doceis palavras...

"A menina dança?"

Luísa disse...

"A menina dança" foi uma abordagem conselho ao que Rita Ferro escreve.
talvez tenha sido excessivamente subtil...
beijinhos

Mensagens da vida. disse...

bem profunda essa aqui anjo.