domingo, 22 de março de 2009

Rabiscos

Vi sombras apagadas
dentro de minha tela avessa.
Pensei que poderia criar colorido
um ponto de vida,
e então o lápis me pegou:

Fez horizontes,dias e memórias.
E virei memória,
chorei horizontes,
e atrasei os dias.





Imagem:Dizziness,Iman Maleki.

8 comentários:

Dani Santos disse...

... desses dias em que o tempo nos prega peças. em que as horas se apressam e se contraem. os vazios se misturam, nos dissipam e nos colocam em sentido anti-horário. Retornos. às cores que fomos.

Abraços a ti, Ana, com coloridos e sonoros. mãos estendidas para acalmar o tempo.

David Monsores disse...

Olá!
"Atrasei os dias"
Achei isso interessante, mas não há nada que possa explicar salvo um sentimento inexplicável que me isso me provocou!
Talvez fossem os dias um mundo com seu próprio tempo criado por mim.
BeijO e até!

Felipe disse...

É incrivel como vc escreve com intensidade, Ana.
Mais um pulsar, desse coraçãozinho lindo!

Beijos

Eduardo Trindade disse...

Hummm... Palavras fortes!
Gostei do poder que tem esse teu lápis!
Mas vou te confessar o que mais me chamou a atenção: é um poema fértil! Sutilmente fecundo com estas palavras: "atrasei os dias"... Surpreendo-me sempre com a força dessa tua poesia.
Abraços!

PS: Um envelope te visitará em breve...

Pri C. Figueira disse...

Anaaaa!

É, as vezes criamos tanta expectativa, formamos e geramos tantas coisas dentro de nós e vem a vida, o tempo, uma situação e nos surpreende...
Desfaz todo o colorido, todo perfume...
Me peguei assim alguns dias!

Texto maravilhoso Ana, tão intenso e tão profundo... Amo cada uma das suas palavras!

Bjus

Ramon de Alencar disse...

...
-Adorei os dois ultimos versos...

Ramon de Alencar disse...

...
-Simplesmente, adorei os últimos versos

Pedro disse...

nossa Ana, estou lendo os tes poemas e cada um que leio me parece melhor que o outro! parabéns!! :)