sexta-feira, 10 de abril de 2009

Amargo tempo


noite minha
multiplica os segundos.

eu cá dentro,
viro estação.

somo o só
e me resulto

difuso.

e a doce infância
balança meu sonho.
o amargo tempo
corre bêbado
.
o triste verso
sorri incompleto

gritando pelo dilúculo.



Na fotografia,Rafaela e Jéssica vivendo sorrisos em tempo doce.

10 comentários:

jessica disse...

aaai, que fofinhoo o textoo anaa *-* ameeei ;)

Nathália Monte ;D disse...

o textinho parece ótimo se nao fosse minha ignorancia de "gritando pelo dilúculo" o que eh isso?nunca ouvi essa palavraaa
*voltareii flor!beijO

paulo disse...

tempo que atravessa
sem olhar
para os lados
deixa a gente
cheio de nãos
cutuca os sonhos
e derruba os corpos
depois sai
pela porta da frente
levando as chaves
sem nada dizer

vai saber!

(=

Raíza Rocha disse...

saudades da minha infãncia
que nõ voltam mais...

lindo texto!

obrigada pela visita!
beijos

Eduardo Trindade disse...

Amargo me traz lembranças boas, é sinônimo de chimarrão...
Balanço me lembra infância, claro, especialmente alguns momentos particulares da minha infância. E Jéssica, olha só, é o nome da minha irmã. Assim, essa postagem acaba sendo, para mim, inevitavelmente doce e nostálgica.
Abraços e boa Páscoa!

Victor Canti disse...

há um tremendo choque quando nos vemos "adultos"... boa reflexão!
me lembrei da música "Fazenda" do Milton, conhece?!
beijos

Armindo Kehl disse...

Belas palavras...

Dani Santos disse...

"... eu cá dentro
viro estação"

palavras e encantos tantos, Ana. a ambalar mundos e sonhos. o leve áspero tempo. o doce amargo canto. em que se vive e se sonha.

Abraços a ti.

Mauri A. Oliveira disse...

Suas palavras fazem-me voltar a tempos...
Muito belo!

Tem um selo pra vc lá no meu blog! Qdo puder, passa la pra pegar :) Bjoss!

Dani Santos disse...

... sentindo falta de palavras tuas...
que ventos leves estejam a dançar nos mundos daí.
Abraços.