sábado, 5 de setembro de 2009

Ciclos

(...)

E minha palavra
– que primeiro é sentimento –
devolve-me o sorriso.
E aqui dentro,
faço-a abrigo.


E aquece-me
em pensamentos,
alimenta-me no papel
– que brinca de borboleta no vento –
e voa até o céu
caindo de mansinho
no parque
onde a pequena idade
corre buscar.

8 comentários:

entremares disse...

É... escrever talvez seja como ter um filho.

Depois de nascer, não nos pertence mais, pois não?

A gente só pode é contar a história, pedir emprestadas as palavras. O resto... bem, o resto já é passado. A vida continua a contecendo.

Um óptimo fim de semana para ti...

Noslen ed azuos disse...

Olá, cheguei por caminhos de iguais, posso entrar?
...
‘Procuras sua menina em suas poesias em que achas perdidas ao vento versos’.


bjs
ns

Ramon de Alencar disse...

...
-Que bom que as palavras te pousaram novamente, eu que sentia falta já.
E ah, abraço recebido...

Sarah Toledo disse...

saudade das borboletas brincando por aqui...

beso.

Dani Santos disse...

e as palavras sentimentos lavam alma e levam sorrisos, para dentro, para o mundo... que as palavras se façam - leves plumas a saltar no vento e a brincar colorindo mundos.

abraço grande a ti, menina dos ventos e sonhos.
a encantar-se com sorrisos encontrados aqui.

Karla Thayse disse...

Nossa que gostoso aqui...

saio daqui mais leve, quase flutuando.rss

Obrigada por visitar meu cantinho, será bempre bem vinda.

Beijoo

Pri C. Figueira disse...

Flor, que saudade daqui!

Sentimentos transformados em palavras é dividir o mesmo com quem as lê!
Senti aqui...Como uma doce brisa que fez um sorriso brotar na minha alma!

Saudades, um abraço beeem apertaaado!

Fabricio Fortes disse...

lindo poema.
tens uma ótima desenvoltura com as palavras.