domingo, 7 de novembro de 2010

notas regidas pela chuva


 .                 
   .             
     .           
       .      
         .

Segurava os pingos da chuva com as mãos, até que entendeu a incapacidade de suportar dilúvios.
.
.
.

11 comentários:

Mauri A. Oliveira disse...

talvez de alguma forma ja tenha tentado fazer isso também...
lindas palavras!
saudades de ti...

Rodrigo Passos disse...

sim, entendo, como evitar o progresso das coisas!

Flor com Espinhos disse...

tão suave...
o momento em que nos deparamos com a verdade dói,mas pode ser engrandecedor...

Canteiro Pessoal disse...

Ana, é lindo, 'pleno a regência da chuva' em revelação.

[...] suspirar as camadas escritas em mergulhos e, arrebatar-se a dança da árvore de frutos saborosos, que sinalizam as pupilas na velocidade da tela. O relógio que não corre, e olhar fixo no andante do toque, com dizeres aos lábios na pergunta de semente.

Obrigada pela visita e maravilhoso teu espaço!

Abraços

Priscila Cáliga

André Silva., disse...

Dilúvios, dilúvios da vida.

Eduardo Trindade disse...

E descobriu a estranha beleza que a chuva pode trazer - assim eu leria nas entrelinhas.

Pri C. Figueira disse...

E como tentamos ...
Até o momento de perceber que a nossa "força" não é o bastante.

Estava com saudade de vc e das suas lindas palavras!
Um beijo.

Gaby Soncini disse...

Obrigada pela visita Ana!

Lindo seu espaço.
Te sigo ^^

Grande beijo.

Dani Santos disse...

.o gosto frágil da água no corpo.
e na chuva, a menina, em sua força, dança.


Abraços rabiscados em letras bonitas, menina Ana...
Adoro tua cor.

Karla Thayse disse...

E eu sempre me encanto por aqui!

Obrigada pelo carinho no blog, é um prazer te receber por lá.

Um lindo final de semana pra ti!

Beeijo

' Jeffão Araújo disse...

e ainda assim continuamos a segurar aquilo que não podemos suportar.
LINDO!!