terça-feira, 23 de novembro de 2010

Sina

Eu,caça de outrens e algures,
presa fácil,
cadeia alimentar de sonhos.
Engulo-me.

7 comentários:

Flor com Espinhos disse...

é tão nobre engulir a nós mesmos...qdo nos suportamos o resto torna-se menos desagradável...

Flor com Espinhos disse...

adoro teus escritos suaves...te seguindo ok?

Marisa Oliveira disse...

O seu jeito de escrever é muito anarraquel.

Mas se encaixa com outros nomes também.

Como pode?

Rodrigo Tomé disse...

Um belo poema pruma manhã chuvosa.

Ficar a mercê dos sonhos, devorar-se a si mesmo é se encontrar de alguma forma.

Não confio em pessoas que não se deixam levar pelos sonhos...

Bjão!

Dani Santos disse...

antropofagia, sonhofagia... só sei que é belo, louco e tão, tão intenso.

Lívia Inácio disse...

Que graça!

Gostei daqui!

beijinho***

Cecília Sousa disse...

Lindo poema.
Visitei, li, gostei. Voltarei. Inscrevo-me mesmo.

Parebéns pelo blog!

http://bernardoececilia.blogspot.com/