terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Soma

Deixo tudo assim não me importo em ver a idade em mim,
ouço o que convém,eu gosto é do gasto. (Los Hermanos)


Os dias percorriam entre seus dentes para demonstrar num sorriso, as pulsações do viver.Os anos lhes pregavam mais uma vez a velha história de saber se por no lugar, sonhar com, planejar sempre.Mas, por se auto-definir atemporal, julgava os relógios e calendários e recusava prender-se à idades.Não era números nem tão pouco previsões.Era apenas mais um coração-alma-veia atuante nos intensos encontros e desencontros de suas vidas mal ( ou não) vividas.
Seria duas décadas mais um, se não fosse a vontade inconclusiva de viver e engolir todas as cores.
- E daí! Eu sou tudo aquilo que já senti.Por isso perdi as contas de quantos foram os anos que me trouxeram até esse cais.



5 comentários:

Pensar disse...

ESSE ...
se não fosse a vontade inconclusiva de viver e engolir todas as cores.
Essas cores são realizadas de tantas formas aqui dentro ...
Sou sua fã numero 1.
parabéns pelos 21 ,VC É LINDA .
TE AMO

Diego! disse...

Elis...O post me ganha com a presença de Elis!

Dani Santos disse...

Imensamente grande. Ter a idade das cores e dos passos, dos olhares trocados, das frases compartilhadas, dos abraços, das fomes, sedes, risos, de todas as águas que nos banharam a fronte. de todos os riscos que já corremos e mais ainda.

há um infinito aqui.

adoro tuas cores, grande-pequena menina!

Gaby Soncini disse...

Eu sou tudo aquilo que já senti.

*.*

Que belo!

Sarah disse...

Essa música me deixa sem ar. Milton Nascimento com ela me deixa sem ar, mas a Elis... Ah! A Elis soube causar o mesmo efeito.

Foi seu aniversário, pelo que percebi. Um parabéns atrasado pode ser aceito, não?


Beijinho.