quarta-feira, 17 de agosto de 2011

A em R

diálogos soltos em um bloco de notas de 2010.
(...)

-É... nunca se sabe quem se é.
-Também acho e na verdade nunca somos,apenas estamos.
-Talvez,assim como agora.Assim como o tempo que nunca para,o mundo que vive mudando,o homem que erra sempre na mesma coisa.
-Pois é,tenha fé...
-Deus é grande.O homem é que não cresce.
-É,é bem por aí.Mas apesar de tudo,vive-se mesmo pra tudo e no fundo,também pra nada.
-Creio.Prefiro o pensamento e a oração.
-Livros,poetas,ideologias,melodias...
-É,mas ainda tenho tanto pra aprender.
- Na vida só se corre e se aprende.A gente acostuma.
-Tá,tento sempre.Gosto de conversar,mesmo que em silêncio.
-Olhos falam."E talvez tudo mesmo dependa dos olhos..."
-Dúvidas e riso criam amigos e estes são som no pôr- do- sol.
-Retardo sonhos.Tenho saudades.
-Huhum..temos dentro aquilo que se foi.
-Tudo fica...é bom.Aprende-se no pretérito.
-Futuro é um pouco de medo.Mas passa.
-Esperança é pra essas coisas.
-A vida cobra.
-Não tenho grana.
-Sina.Cumpra.E no amor também...
-Sim,encontra-se o amor no caminho,naquilo que se vê em movimento.
-Bonito isso.
-Também acho...Respiremos.
-Que seja vento e depois,só depois.

Um comentário:

J.R. Lima disse...

vento e depois...só depois
e agroa, só o agora.

Ótimo,isto, muito bom mesmo!!!